quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Incêndio na Cinemateca

Por volta das 6h da manhã da quarta-feira passada, dia 3 de fevereiro de 2016, um incêndio atingiu uma das quatro câmaras do depósito de nitratos da Cinemateca Brasileira, em São Paulo. Os jornais e televisões deram a notícia, informando que os demais prédios não tinham sido atingidos e que o fogo foi controlado em pouco tempo. Apenas um bombeiro sofreu intoxicação com a fumaça e ninguém mais foi ferido.
A Cinemateca e o Ministério da Cultura emitiram notas oficiais. Nela diziam: "Cerca de 1.000 rolos de filmes foram queimados. Deste total, a grande maioria está conservado em outras mídias/suportes. Os filmes destruídos estavam todos em domínio público e o levantamento da pequena parte afetada, sem duplicação, será informado pela Cinemateca nos próximos dias".Outra nota dizia que cerca de 80% do material atingido tinha sido duplicado. Isto é, 20% dos 1.000 rolos podem ter desaparecido para sempre. Informaram ainda que os rolos eram de um longa metragem e de diversos cinejornais.
Reproduzo abaixo um comentário que fiz nas redes sociais sobre o ocorrido.


O incêndio da última madrugada na Cinemateca Brasileira poderia ter sido pior, mas ainda sim foi uma grande tragédia. A partir de meados do século XX, vários pioneiros da preservação se esforçaram para reunir o que ainda existia da memória do cinema brasileiro. Quase tudo já tinha se perdido, mas o que conseguiu ser salvo nos cerca de vinte anos seguintes foi grande parte do que chegou até os dias de hoje. E ontem uma parcela disso se perdeu. Sim, grande parte já tinha sido copiada para outros suportes. Mas como foi copiado, com qual qualidade? A copiagem dos filmes em nitrato começou a ser feita pioneiramente pela própria Cinemateca Brasileira há mais de trinta anos e, como no mundo todo, se priorizou a quantidade e não a qualidade. Muito foi copiado para acetato em 16mm e sem muitos dos avanços posteriores que ajudaram a reproduzir a qualidade dos nitratos nos contratipos e másteres de segurança. Mas o pior é que uma parte do que se perdeu não tinha sido copiada ainda. Provavelmente eram filmes que nem os estudiosos e pesquisadores conheciam ou tiveram acesso nos últimos anos. A crise atual na Cinemateca tem um papel direto nessa tragédia, mas não se pode responsabilizar exclusivamente os dirigentes atuais, imersos em problemas de falta de pessoal e de recursos. Aliás, é preciso elogiar a resposta imediata do governo na divulgação dos danos e cobrar deles mais detalhes sobre o que foi perdido. Entretanto, cabe a reflexão sobre como no passado recente, quando a Cinemateca gozou de fartos recursos financeiros, não houve o esforço em alcançar a meta que todos os arquivos de filme do mundo vem tentando atingir desde os anos 1970, pelo menos, que é copiar todos os filmes de nitrato para suportes mais seguros (mas sem descartar as matrizes). Como isso não foi uma prioridade absoluta nos anos de fartura, sobretudo sabendo que o número de nitratos brasileiros não é tão grande? Por que eles não foram todos digitalizados nos anos antes da crise? Isso não teria evitado a perda, mas minimizado a tragédia. Nossa memória cinematográfica é tão reduzida que não podemos nos dar o luxo de arriscar nem um milésimo do que sobreviveu. Se a Cinemateca foi num passado recente a grande vitrine do governo Lula, que o incêndio sirva para que ela não se torne a grande vergonha do governo Dilma. Que haja mobilização para se inventariar e divulgar todas as consequências do incêndio. Que isso sirva para reforçar a necessidade urgente de reequipar a instituição com recursos e pessoal e dotá-la de condições de trabalho adequadas. E que isso imponha a urgência de reativação imediata do Laboratório da Cinemateca. Com a morte recente do restaurador Chico Moreira, mais do que nunca é preciso que a Cinemateca possa voltar a dispor de infraestrutura para salvaguardar o enorme e precioso acervo audiovisual brasileiro, pois além dela, não restam atualmente mais alternativas.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Site da ABPA

A Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA) já está com seu site online e funcionando. Não deixem de visitar: http://www.abpreservacaoaudiovisual.org

Reportagem e entrevista sobre preservação

O site Cultura e Mercado publicou recentemente uma reportagem intitulada "Pelo patrimônio cinematográfico", sobre a preservação audiovisual no Brasil. O mesmo site também fez uma entrevista comigo a respeito do tema, no âmbito do projeto Resgate da obra cinematográfica de Gerson Tavares, intitulada "Preservar para não ter que restaurar".